Escola em Hortolândia (SP) ensina esportes adaptados aos alunos
Escola em Hortolândia (SP) ensina esportes adaptados aos alunos

Escola em Hortolândia (SP) ensina esportes adaptados aos alunos

Junto aos estudantes, Pedro Leonardo participa das atividades, como basquete em cadeiras de rodas, para entender a importância de se colocar no lugar do outro

 

 

Neste sábado (22), no Mais Caminhos, Pedro Leonardo foi a Hortolândia (SP) conhecer um projeto que ensina esportes adaptados para pessoas que não possuem nenhum tipo de deficiência física ou mental, a fim de que vivenciem as dificuldades enfrentadas por outros. O projeto une estudantes de uma faculdade de educação física com alunos do ensino médio, que fazem parte da mesma instituição.

O projeto existe há mais de cinco anos e faz parte do currículo formal da educação física, para a educação básica. Atende os alunos do sexto ano ao ensino médio.  O coordenador Tércio Nascimento conta que todos os anos as turmas do primeiro ano do ensino médio, fazem circularmente este conteúdo.

Basquete em Cadeiras de Rodas

A professora de educação física Thays Meneses está em seu primeiro ano de experiência com os esportes adaptados. Meneses credita que a ideia de implementar esta atividade na grade curricular dos alunos é porque ela teve essa vivência durante a faculdade, e acredita que colocar em prática com os alunos é muito bom.

“Poder estar aqui na quadra e saber como é este convívio, auxilia nós a ter uma compaixão maior, a entender melhor o lado deles e entender melhor o que eles passam no dia a dia”, conta a estagiária Priscila Zarocinski.

Pedro Leonardo também participou da atividade e viu que não era apenas uma brincadeira, “era basquete para valer”, como ele mesmo disse. Depois de alguns minutos de jogo, o apresentador conta que, o jogo é bem cansativo: “não tem nem cinco minutos que eu estou jogando e meus braços já estão cansados. Imagina o jogo inteiro?”.

A aluna Kasey Ost, de 14 anos,  diz para o Pedro qual a importância desta atividade para ela: “eu achei muito interessante que eles passem essas atividades para a gente, para nós termos uma noção da dificuldade que os deficientes têm para fazer as atividades físicas”.

Golbol

A próxima vivência do Pedro, foi participar do Golbol, “uma modalidade, que foi criada especificamente para os deficientes visuais. São três pessoas de cada lado, o ala direito, ala esquerdo e o pivô”, explica a professora de educação física Giseli França.

Tirar a visão dos alunos nesta atividade é tirar a noção de mundo. Assim eles têm a oportunidade de compreender melhor e vivenciar as dificuldades dos deficientes visuais.

Futebol Para Cegos

Antes de participar do futebol com a criançada, o apresentador recebeu algumas orientações do professor de educação física André Almeida. “Quando estiver caminhando utiliza as mãos, de um lado para o outro, para que, se tiver alguém na sua frente, você não trombar”.

Outro exercício antes de começar a jogar, foi aprender a se guiar pelo barulho ou som. No caso, Pedro teve que guiar-se pelas palmas, para chegar até a pessoa.

No futebol, quem está jogando se orienta pelo barulho do guizo, que está dentro da bola. Os goleiros não usam vendas, e podem orientar o time.

No final todo mundo se divertiu e aprendeu muito sobre o esporte e as dificuldades enfrentadas pelos deficientes visuais. A aluna, Luana Alvez, de 13 anos, explica qual foi a maior dificuldade: “Eu achei muito difícil, pois me senti insegura”. O professor comenta que “os alunos ficam mais humanos”, ao participarem de atividades como estas.

O ponto principal destas atividades é ver a vida de outro ângulo, respeitando as diferenças e entendendo que todo mundo, sem exceção, pode se aventurar a quebrar os limites.

Fonte: http://gshow.globo.com/EPTV/Mais-Caminhos/noticia/2016/10/escola-em-hortolandia-sp-ensina-esportes-adaptados-aos-alunos.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *