Aluna do Lar das Moças Cegas tem história de superação divulgada na imprensa
Aluna do Lar das Moças Cegas tem história de superação divulgada na imprensa

Aluna do Lar das Moças Cegas tem história de superação divulgada na imprensa

A ex-diarista Ednalcira Rita de Lima, 51 anos, foi motivo de reportagem na imprensa nesta segunda-feira (30), no jornal Diário do Litoral, de Praia Grande (SP).

Ela fez parte da série Minha Vida Com, que retrata histórias de luta e superação de cidadãos exemplo da região metropolitana da Baixada Santista. Já foram abordados casos com Esclerose Múltipla e Paralisia Cerebral. Nesta semana, nossa aluna conta seu depoimento e ilustra o tema Minha Vida Com Deficiência Visual.

Confira a reportagem completa de Caroline Souza (texto) e Nair Bueno (fotos):

#pracegover

 

“Perdi a visão após um acidentede trabalho”
Aos 29 anos, Edinalcira de Lima sofreu um acidente com cloro e começou a perder a visão gradativamente

A minha deficiência foi adquirida após um acidente de trabalho. Aos 29 anos, eu era diarista e minha patroa me mandou limpar o teto do banheiro. Inocentemente, peguei a água com sabão e cloro e comecei a limpeza.
A vassoura enganchou e um jato de sabão com cloro atingiu meus olhos.

Em um primeiro momento, pensei que era passageiro, lavei os olhos com bastante água, fui para casa e continuei fazendo tudo, achando que não ia acontecer nada.

Seis meses depois, percebia que quando eu lia, as letras ficavam ‘dançando’. Fui ao
oftalmologista e a médica falou que meu olho esquerdo estava com uma mancha atrás da pupila. Ela me enviou para São Paulo para fazer tratamento, mas pouco tempo depois engravidei e tive que parar.

Quando retornei ao oftalmo, estava com descolamento de retina e infecção nos olhos. O médico me encaminhou para uma cirurgia a laser e, mesmo com os olhos muito inflamados, a operação foi feita nas duas vistas em um único dia. A partir daí, minha visão começou a diminuir, até que o médico que havia me indicado para fazer a cirurgia falou que eu perderia a visão.

Foi muito difícil ouvir isso. Meu filho mais velho teve que me segurar para que eu não me jogasse no trânsito e cometesse suicídio. Ele olhou para mim e disse: Mãe, você é capaz! Que amor é esse que você sente por nós que quer morrer e nos deixar?

Aquilo me marcou. Eu refleti e continuei a batalha. ‘Meu nome é Edinalcira Rita de Lima, tenho 51 anos, e sou deficiente visual’.

Sentia fortes dores de cabeça e foi constatado que eu tinha um tumor. Antes da cirurgia, o médico chamou meu marido e meu filho e disse que eu perderia os movimentos das pernas ou do lado direito do corpo. Graças a Deus isso não aconteceu. Mas a perca da visão foi acelerada.

Após a retirada do tumor, em 2011, fui encaminhada para o Lar das Moças Cegas. Confesso que muito entristecida, desapontada e revoltada. Quando cheguei no Lar, vi que eu era uma fraca, porque na época ainda enxergava vultos e muitos não enxergavam nada.

Essas pessoas eram alegres, satisfeitas e caminhavam sozinhas. Então, eu falei: vou ter que encarar. Quando eu enxergava, eu percebia o mundo de uma outra forma. Muitas vezes era egoísta. Hoje, enxergo com os outros sentidos que me restaram e estou preparada para aceitar a minha deficiência.

O Lar das Moças Cegas é a minha segunda família. Foi o meu levantar, uma nova vida.Perdi a visão totalmente há uns dois anos e meio. Antes, eu ainda enxergava o claro e o escuro. Agora, nem sei se a luz está acesa ou apagada.

A minha maior dificuldade é sair na rua, tenho muito medo da violência. Medo de encontrar pessoas ruins. Moro na Área Continental de São Vicente e as calçadas são muito irregulares, quem enxerga já foi atropelado, imagina eu sem enxergar.

Venho todos os dias para o Lar. Faço coral, banda, braile, oficina pedagógica, violão, escaleta, flauta, hidroginástica, ioga, dança criativa e teatro.

Aqui eu descobri que sou capaz e que dentro de mim o amor prevalece. Hoje, enxergo com os olhos do coração. O convívio com os outros serviu de experiência e de degrau, fui subindo um a um e com eles aprendi que a gente perde a visão, mas não a vida.

2 thoughts on “Aluna do Lar das Moças Cegas tem história de superação divulgada na imprensa”

  1. Lilla disse:

    💪👏👏Essa é um exemplo de superação, fé e amor
    Um ser humano incrivel q eu tive a oportunidade de conhecer

  2. Márcia Andreatta Rodriguez disse:

    Uma história de superação e gratidão a família Lar das Moças Cegas!! Fiquei sensibilizada e feliz que D.Ednalcira encontrou essas pessoas maravilhosas do lar que colaboraram para a transformação da sua vida!! Muitas alegrias e sucesso para ela e meus parabéns a todos do Lar! Muito gratificante conhecer essas pessoas competentes e dedicadas!! 👏👏👏👏😘

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *