Alunos criam kit para que deficientes possam usar máquinas de costura
Alunos criam kit para que deficientes possam usar máquinas de costura

Alunos criam kit para que deficientes possam usar máquinas de costura

Grupo de Friburgo, RJ, passou para a final da competição Desafio Senai.
Kit pode ser usado por pessoas com deficiência em membros inferiores.

Quatro alunos de Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio, passaram para a final da competição Desafio Senai Projetos Integradores que acontece em novembro, em Brasília, com a criação de um projeto para pessoas com deficiência nos membros inferiores. O Kit Acesse é um dispositivo eletromecânico que pode ser instalado em máquinas de costura que tenham o motor elétrico convencional com embreagem mecânica ou Direct Drive – que é um tipo de motor com acionamento direto, ou seja, não precisa de elementos de fixação ou de transformação de energia.

O kit é dotado de um pequeno controle analógico, similar aos utilizados em joysticks para jogos eletrônicos, ligado a uma placa receptora de sinais que converterá o movimento feito pelo operador em micromovimentos a serem realizados por um motor de passo, sendo este acoplado ao motor da máquina de costura.

O controle analógico fica posicionado para ser usado pela mão direita do usuário e poderá ter seu posicionamento ajustado visando a melhor ergonomia do operador. Toda a arquitetura eletrônica e de controle do projeto foi feita em Arduino, uma plataforma de prototipagem, dotada de placa única e oferecida como um hardware livre.

A solução é fruto do trabalho de José Felipe de Carvalho Araújo e Ramom Souza da Silva, estudantes do curso técnico em Automação; e de Pedro Augusto de Souza Miranda e Wellyson Gomes Amorim, que cursam o técnico em Vestuário. De acordo com estimativas dos estudantes, o custo de produção do Kit Acesse será baixo, tornando o projeto uma alternativa viável.

Marcelo Porto, presidente do Sindicato das Indústrias do Vestuário de Nova Friburgo (Sindvest) acredita que a inovação permitirá uma inclusão do trabalhador e beneficiará as 1900 empresas que fazem parte cadeia produtiva do setor.

“O projeto permitirá a acessibilidade e a inclusão verdadeira das pessoas com deficiência nas confecções, inclusive permitindo a descoberta de uma nova força de trabalho que não era prestigiada devido a operação tradicional das máquinas de costura”, afirmou.

Projeto Integrador
Parte da metodologia de ensino do Senai, o projeto integrador tem a proposta de unir alunos de diferentes cursos e desafiá-los para criar soluções inovadoras para provocações da vida real. No ano passado, Nova Friburgo iniciou uma série de interações entre os estudantes e empresários do setor metalmecânico com o intuito de gerar maior interação entre mercado e aprendizado.

O presidente do Sindmetal (Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Nova Friburgo), Cláudio Tangari, é um dos principais entusiastas dessa nova roupagem da metodologia. “O projeto integrador vem para motivar o aluno e adequar o ensino ao serviço do SENAI com inovação e empreendedorismo”, ressalta o empresário. Cláudio destaca que essa relação direta com o mercado contextualiza o aluno, que passa então a ter mais clareza na hora de atender as expectativas de empresas de qualquer setor.

Fonte: http://g1.globo.com/rj/regiao-serrana/noticia/2016/09/alunos-criam-kit-para-que-deficientes-possam-usar-maquinas-de-costura.html

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.