Audiodescritora explica recurso de acessibilidade
Audiodescritora explica recurso de acessibilidade

Audiodescritora explica recurso de acessibilidade

Christiane Blanco

Formada em Fonoaudilogia, Cristiane Blanco trabalhou no LMC durante seis anos e desde 2009 faz as audiodescrições dos vídeos instituicionais da entidade.

O que é audiodescrição?

É um recurso de acessibilidade que consiste na descrição clara e objetiva de todas as informações e que permite que as pessoas com deficiência visual ouçam o que é apreciado visualmente. A audiodescrição amplia o conhecimento, facilita o entendimento e oferece a oportunidade de autonomia, independência e poder de interpretação para as pessoas com deficiência visual.

Onde esse recurso é utilizado?

Este recurso pode ser utilizado em cinemas, teatros, museus, televisão, desfile de carnaval, jogos de futebol, entre outros…

Qual a sua importância?

A sua importância está em garantir a todas as pessoas com deficiência o direito constitucional ao lazer e à educação, seja parcial ou totalmente.

Além de permitir ao deficiente visual o acesso aos conteúdos da televisão, dos espetáculos, teatros, museus e outros, favorecem também as pessoas analfabetas e disléxicas, pessoas com dificuldade ou que estão totalmente impedidas de entender o conteúdo escrito. Entretanto, são as pessoas com deficiência visual que mais se beneficiam com este recurso.

Como ela dever ser feita?

Existe uma técnica, a audiodescrição é diferente da narração. Ela é muito mais detalhada. Ela descreve, por exemplo, expressões faciais e corporais que comuniquem algo, informações sobre o ambiente, figurinos, efeitos especiais, mudanças de tempo e espaço, além da leitura de créditos, títulos e qualquer informação escrita na tela, podendo ou não passar sensações, depende da interpretação.  A descrição acontece nos intervalos entre diálogos, ou quando não há informações sonoras.

Como é o processo para fazer a audiodescrição?

O primeiro passo é fazer um curso para conhecer o recurso, suas técnicas e aplicações, pois na maioria das vezes as pessoas acham que audiodescrever é simplesmente verbalizar ou oralizar um acontecimento, mas não é tão simples assim. Em seguida, estudar e dedicar-se bastante para que se atinja o objetivo almejado. O audiodescritor necessita de muito estudo, análise, observação e conhecimento sobre o tema a ser audiodescrito.

Existem vários tipos de audiodescritor?

Sim. Pode-se dividir o trabalho entre o audiodescritor roteirista, o audiodescritor locutor e o revisor.

 Há cursos específicos?

No Brasil, a formação de audiodescritores tem acontecido através de cursos livres com carga horária pequena, introduzindo assim algumas técnicas e os principais conceitos. Há cursos em São Paulo, Rio de Janeiro, e já acontece em Juiz de Fora, Minas Gerais, um curso de extensão com uma carga horária de 360 horas.

 Qual o profissional que pode fazer a audiodescrição?

Qualquer profissional que tenha contato com o público necessitado desde que faça o curso adequado. Entretanto há a necessidade de uma boa fluência verbal, conhecimento de línguas, senso de observação. Por esse motivo profissionais com graduação em Letras, Tradução, Cinema, Rádio e TV, Comunicação e Artes já apresentam maiores habilidades.

Existe alguma lei que exige o uso da audiodescrição?

Sim, existe. O Art 17 da Lei 10098/2000, Lei da Acessibilidade, diz: “O Poder Público promoverá a eliminação de barreiras na comunicação e estabelecerá mecanismos e alternativas técnicas que tornem acessíveis os sistemas de comunicação e sinalização às pessoas portadoras de deficiência sensorial e com dificuldade de comunicação, para garantir-lhes o direito de acesso à informação, à comunicação, ao trabalho, à educação, ao transporte, à cultura, ao esporte e ao lazer.” O Art 53 – Decreto Federal Nº 5296/2004 e as Portarias Nº 310 e Nº188 do Ministério das Comunicações, também asseguram esse direito, mas essas leis ainda não são suficientes. Diferente do close captions (legendas), a audiodescrição não se estende a 100% da programação.

Há filmes, peças ou programas que utilizam?

Sim, atualmente há muitos filmes que já contam com este recurso. E nas principais capitais já há teatros, salas de cinema e alguns espaços culturais com audiodescrição.

 Como funciona o recuso?

A audiodescrição é realizada ao vivo em shows, teatros, espetáculos de dança e jogos através do uso de equipamentos de tradução simultânea, fones de ouvido e receptores. As informações são transmitidas pelos audiodescritores de dentro de uma cabine, com um roteiro já descrito. A audiodescrição é realizada durante as pausas do espetáculo ou entre as falas dos personagens. Em filmes ou em documentários, a audiodescrição pode ser gravada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.