Confira como é feito o atendimento especializado da Intervenção Precoce do Lar das Moças Cegas
Confira como é feito o atendimento especializado da Intervenção Precoce do Lar das Moças Cegas

Confira como é feito o atendimento especializado da Intervenção Precoce do Lar das Moças Cegas

O processo de reabilitação elaborado para uma criança deficiente visual exige um suporte especializado. Tanto na deficiência visual congênita quanto na adquirida, o acompanhamento profissional é essencial para que o deficiente possa ser reabilitado.
A deficiência visual pode ser associada a outra patologia, como: Paralisia Cerebral, Síndrome de Down e Transtorno do Espectro Autista (TEA).
Na primeira infância, explorar e perceber os sentidos têm um papel importante para as descobertas e aprendizagem. Desta forma, a ausência da visão é um grande obstáculo para o desenvolvimento global da criança.
Para casos como esse, existe a Intervenção Precoce. Começa por uma triagem, onde a criança com perda visual – com o diagnóstico – tem um tratamento focado nos potenciais para que possa progredir.
Entre as áreas de atuação desse processo, temos a Psicologia e a Fisioterapia. No Lar, o trabalho feito com os assistidos inclui a Intervenção Precoce para os pequenos até os 5 anos e 11 meses de idade.
O trabalho de reabilitação é baseado na evolução da criança. De acordo com a fisioterapeuta Arine Tabosa, supervisora da Intervenção Precoce, a criança com deficiência visual pode apresentar atraso neuropsicomotor. “Ele é relacionado à dificuldade de se movimentar e se orientar com segurança. Afetando o aprendizado de conceitos importantes para compreender seu espaço, o do próximo e o que está ao seu redor”, explica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.