Etapa Rio-Sul do Circuito Caixa Loterias termina em Curitiba com recordes brasileiros e planos para a temporada de atletas renomados do país

Etapa Rio-Sul do Circuito Caixa Loterias termina em Curitiba com recordes brasileiros e planos para a temporada de atletas renomados do país

Sheila Finder durante a prova de salto em distância, em CuritibaEncerrou-se neste domingo, 29, em Curitiba, a etapa regional Rio-Sul do Circuito Caixa Loterias de Atletismo e Natação. Mais de 400 atletas dos estados do Sul, do Rio de Janeiro e do Espírito Santo competiram por medalhas e buscaram índices para as etapas nacionais, que serão realizadas no segundo semestre. As provas na capital paranaense foram disputadas nas instalações esportivas da Universidade Positivo.

No encerramento da etapa, uma nadadora curitibana chamou atenção na piscina da Universidade Positivo. Tisbe Andrade, de 16 anos, classe S5, voltou a bater o recorde brasileiro dos 50m costas – o terceiro desde agosto de 2014. Durante este período, Tisbe baixou o tempo na prova em mais de três segundos. E mesmo com a evolução, a atleta tem consciência que ainda tem muito o que fazer. “Eu fico muito motivada quando bato um recorde, mas ainda está distante das melhores marcas mundiais. Ouço meu técnico e sei que ainda vou treinar muito para baixar mais esse tempo”, explica.

Nadando nas provas mais importantes do país desde 2012, Tisbe se vê diferente em relação ao seu início de carreira. “Antes ficava muito nervosa, até porque era minha prova principal [50m costas] e me sentia pressionada. Agora me concentro mais, faço planos e sinto menos pressão”, conta. Nas próximas etapas, a nadadora pretende seguir a evolução.

“Tenho o sonho de ir aos Jogos Paralímpicos, e vou tentar baixar meu tempo para 50 segundos até o fim do ano”, planeja. O técnico de Tisbe, Rui Menslin, que também é um dos treinadores da Seleção Paralímpica principal, acredita no potencial da jovem. “Ela é dedicada e esta evolução dentro do Brasil é importante. Mas ainda há o que melhorar e a parte boa é que ela sabe e quer isso”, resume.

A paranaense sofre com uma doença chamada artrogripose, que causa a baixa mobilidade nas articulações e prejudica a musculatura.

Atletismo
Com os índices para as etapas nacionais já garantidos em suas provas, a catarinense Sheila Finder, da ABLUDEF, disputou a fase de Curitiba com o intuito de avaliar seu rendimento após uma lesão do joelho esquerdo. No sábado, a atleta da classe T47 correu os 100m e venceu com o tempo de 13s36. Neste domingo, competiu na sua prova preferida – salto em distância – e, mais uma vez, saiu o com o ouro.

“Saio satisfeita com os resultados, pois estava com receio de a lesão ainda me atrapalhar. Mas, principalmente no salto, em que uso muito o joelho esquerdo, foi tudo bem. Não senti nada”, afirmou a atleta, que fez a marca de 4.95m.

O recorde da prova pertence à própria Sheila. Em 2014, na segunda etapa nacional do Circuito Caixa Loterias, em São Paulo, ela saltou 5.42m. A meta, segundo a atleta, é voltar a ter este desempenho no Open Internacional Caixa Loterias, marcado para abril, na capital paulista.

“No Open, correrei os 100m, os 200m e farei o salto. Vou disputar os 200m porque no Parapan de Toronto não teremos a prova de salto na minha classe. Então, focarei nas de velocidade”, ressaltou a experiente atleta catarinense que, no último Mundial de Atletismo, conquistou uma medalha de bronze.

A Etapa Rio-Sul foi a segunda regional do ano. A primeira foi realizada em Recife (PE), em fevereiro, com atletas das regiões Norte e Nordeste. Ainda haverá as fases regionais de São Paulo, de 16 a 17 de maio, na capital paulista, e Centro-Leste, de 29 a 31 de maio, em Uberlândia.

No segundo semestre, ​ocorrem ​as três nacionais​, todas​ marcadas em São Paulo. A primeira em 4 e 5 de julho, a segunda de 11 a 13 de setembro e, a terceira, de 6 a 8 de novembro. As etapas regionais servem de classificatórias para as nacionais.

O Circuito
O Circuito Caixa Loterias é organizado pelo Comitê Paralímpico Brasileiro e patrocinado pela Caixa Loterias. Composto por quatro fases regionais e três nacionais, é o mais importante evento paralímpico nacional de atletismo e ​de ​natação. O objetivo é desenvolver as práticas desportivas em todos os municípios e estados brasileiros, além de melhorar o nível técnico das modalidades e dar oportunidades para atletas de elite e novos valores do esporte adaptado no país.

Fonte: http://www.deficienteciente.com.br/2015/03/10-termos-e-conceitos-sobre-deficiencia-que-deveriam-ser-abolidos.html

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.