Projeto dá acesso à arte para pessoas cegas ou com baixa visão
Projeto dá acesso à arte para pessoas cegas ou com baixa visão

Projeto dá acesso à arte para pessoas cegas ou com baixa visão

‘Ver com as Mãos’ atua dentro do Instituto Paranaense de Cegos (IPC).
Projeto mudou a vida de crianças e jovens com deficiência visual.

“Nosso objetivo é pensar na possibilidade e não na dificuldade”, diz a coordenadora e idealizadora do projeto Ver com as Mãos, do Instituto Paranaense dos Cegos (IPC), em Curitiba, Diele Pedrozo Santo. Além da inclusão social, a proposta trouxe uma maneira diferente de imaginar a arte e as imagens e mudou a vida de crianças e jovens com deficiência visual.

Confira a galeria de fotos.

“O que de mais importante eu aprendi com os meus alunos e com o projeto é que nós podemos ser a mudança que nós queremos. Então, ouvir os alunos e aprender com eles foi o mais precioso. Dar voz pra eles, deixar com que eles mesmos falem quem eles são, o que eles querem. O que precisa mudar?”, argumenta Diele.

O IPC foi fundado em 1939 e oferece educação a pessoas cegas ou com baixa visão. Atualmente, também abriga cerca de 20 pessoas, entre adultos e idosos. As atividades da instituição são mantidas por recursos próprios, e também são financiadas por meio de convênios com o governo, parcerias e doações.

O projeto Ver com as Mãos, que existe há quatro anos, fica na mesma estrutura e foca nos alunos com deficiência visual em idade escolar ou que estão ingressando na universidade e no mercado de trabalho.

São mais de 50 crianças, adolescentes e adultos cegos ou com baixa visão que participam de várias atividades como habilitação e reabilitação, estimulação visual e sensorial, educação física, arte, entre outras.

Professora de artes no IPC há dez anos, Diele conta que a ideia surgiu quando ela percebeu que os estudantes não tinham uma participação efetiva nas atividades que envolviam imagens.

“Ao longo desses quatro anos e com a ajuda de parceiros e voluntários, a gente pode ampliar as atividades culturais e também passamos a fazer aulas de música, visitas a teatros, cinema, museus. Então, aos poucos a gente foi saindo de dentro da instituição e tivemos a oportunidade de mostrar aos alunos o que eles são capazes de fazer além da sala de aula”, argumentou a coordenadora.

O projeto foi financiado pelo Criança Esperança em 2012 e 2015, e pelo Instituto HSBC Solidariedade em 2013 e 2014. “Atualmente, o Ver com as Mãos se tornou um espaço de aprendizado de novos profissionais, recebemos hoje estudantes voluntários que nos procuram para complementar sua formação e aprender com os nossos alunos”, destacou Diele.

“Enxergando” a vida
“É muito bom a gente saber que consegue conquistar a nossa independência. Eu passei a acreditar muito mais em mim porque eu fui percebendo que a minha capacidade é muito maior do que eu imaginava. Viver pra mim é ter sonhos, ter realizações. Viver é querer que cada dia seja melhor que o outro”, diz a aluna Gabrielli Vieira, de 18 anos.

Incentivado pelo projeto, David Vinícius, de 21 anos, que tem baixa visão, criou um blog com textos literários, entrevistas, cursos, resenhas, entre outros.

“As atividades me mostraram que não é porque eu sou uma pessoa com deficiência visual que eu vou deixar de fazer outras coisas. Eu faço tudo, igual as outras pessoas também”, argumenta. Sobre o blog, ele destacou que o assunto preferido é o amor.

“Escrever sobre amor é uma coisa bem clichê, mas que na verdade nos dá muitas possibilidades. Eu acho que todo mundo ama, mas, na verdade, nem todo mundo conhece o amor verdadeiro, o amor puro”, argumentou o blogueiro.

“Muita coisa mudou na minha vida depois do projeto”, diz Juliana Luccas dos Santos, de 18 anos. Ao G1, ela contou que aprendeu a ganhar mais confiança e autonomia. “Aqui a gente faz as coisas que a gente gosta. Eu aprendi que eu também faço parte da sociedade. Eu tenho que ir nos lugares e tenho que brigar pelos meus direitos”, disse.

Fonte: http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2016/08/projeto-da-acesso-arte-para-pessoas-cegas-ou-com-baixa-visao-assista.html 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.