Surfista cego se aventura no Havaí e sonha com tubo nas ondas de Pipeline

Surfista cego se aventura no Havaí e sonha com tubo nas ondas de Pipeline

Muitos dizem que os olhos são a janela da alma e que é através do olhar interior que podemos criar a nossa percepção do mundo. É essa a sensação de Derek Rabelo, que nasceu cego, mas nunca teve a deficiência visual como um obstáculo. Os pais eram apaixonados por surfe e o batizaram com o nome do lendário Derek Ho, primeiro havaiano campeão mundial, em 1993. Mas, após o nascimento do filho, imaginaram que o sonho de vê-lo como atleta profissional não seria realizado. Exemplo de superação e perseverança, Derek provou o contrário e lutou contra o preconceito para surfar. Hoje, ele inspira gerações. Dividiu onda com Kelly Slater, Gabriel Medina, Mick Fanning, Laird Hamilton e Carlos Burle e é o protagonista do filme “Além da Visão”, lançado em uma escola em Pipeline, no Havaí. O documentário filmado por Bruno Lemos e Luiz Werneck foi exibido pela primeira vez em março, na Califórnia, Estados Unidos.

A mítica praia do North Shore da ilha de Oahu é um dos destinos preferidos do capixaba, que mantém vivo o sonho de pegar um tubo no paraíso do esporte. É lá que será definido o campeão mundial da temporada, em uma batalha com os fenômenos Medina, Fanning e Slater.

Derek Rabelo surfe, Pipeline, Havaí (Foto: Thiago Bernardes / Ag. Estado)
Derek Rabelo lançou documentário em escola em Pipeline, no Havaí (Foto: Thiago Bernardes / Ag. Estado)

– É sempre bom estar ao lado dos grandes surfistas, aprendendo com eles, mas o que eu mais gosto de fazer é surfar em Pipeline. Pipe é minha onda favorita, sempre foi o meu sonho desde que eu aprendi a surfar. É o sonho de qualquer surfista. Foi onde a minha história começou e toda a vez que eu estou aqui no Havaí gosto de vir aqui. Quando não tem onda e está ventando, fico na areia. É um lugar que me deixa muito contente. Cada momento que eu vivo é uma experiência diferente, tentando sempre aproveitar ao máximo. Meu sonho é pegar um tubo em Pipe, já consegui pegar, mas ainda não saí – disse Derek.

Natural da pequena cidade litorânea de Guarapari, no Espírito Santo, o surfista ganhou a primeira prancha de presente do pai, aos 17 anos, e, aos poucos, foi vencendo o medo e conquistando o respeito do mundo. Ao lado do amigo Magno Oliveira, um dos principais nomes do bodyboard brasileiro, ele quis ir ao Havaí e realizar o sonho de surfar em Pipeline. No “Meca” do surfe, conquistou o respeito dos locais e entrou no mar ao lado de surfistas como Makua Rothman, filho de Edward Rothm, o Fast Eddie, uma espécie de xerife do North Shore e grande incentivador do localismo nas praias da região. Ele ainda não conseguiu pegar um tubo, mas continuará a sua busca na temporada havaiana.

Derek Rabelo surfa nas ondas de Pipeline e espera pegar tubo: "Sonho" (Foto: Pedro Gomes Photography)
Derek Rabelo surfa em Pipeline e espera pegar tubo: “Sonho” (Foto: Pedro Gomes Photography)

No arquipélago do Oceano Pacífico, na Polinésia, Derek também fez tow-in (quando o atleta é rebocado para a onda de jet ski) com o “big rider” Carlos Burle, campeão mundial na remada e no tow-in. Ele deverá embarcar ainda nesta semana para a ilha de Maui na tentativa de surfar em Jaws, que deverá receber boas ondulações nos próximos dias. Com as condições ruins para o início da etapa do WCT em Pipeline, muitos fotógrafos e surfistas escolheram a região para aproveitar um swell, com ondas que podem atingir os 30 pés (cerca de 10m). Burle já está lá, assim como os brasileiros Pedro Calado e Lucas Silveira. Ainda não se sabe se o surfista cego conseguirá cair no mar, mas, este é o seu desejo.

– Sempre estou em busca de aventuras diferentes. Tenho o sonho de surfar ondas diferentes, ir para Jaws, em Maui, e estamos trabalhando para isso. A temporada havaiana está só começando e eu estou devendo um tubo.

No Havaí, a história do “brasileiro cego que surfa em Pipeline” se espalhou e ele foi muito assediado no lançamento de seu filme. O produtor Bryan Jennings já planeja uma nova produção com Derek, com três surfistas e três “cowboys” que montam touros: “O Derek já montou touros”, brincou o americano. Subir no alto de uma onda traz um misto de emoções para o surfista cego, provando que o que os olhos não veem, o coração sente. Quando surfou com o capixaba em Trestles, em San Clemente, na Califórnia, Kelly Slater colocou uma venda nos olhos para sentir o mundo como Derek e se impressionou: “Ele é maluco”, disse o americano em um dos trechos de “Além da Visão”.

– Quando estou lá em cima da onda, sinto aquela adrenalina, uma sensação inexplicável de medo, prazer e liberdade dentro do mar e da natureza. Só quem surfa tem a noção de todas as emoções e felicidade. Eu tenho muita coragem, mas muita fé em Deus e o meu medo nunca atrapalha. O céu é o limite – contou o atleta, que fez stand up paddle na Califórnia com Laird Hamilton, mito das ondas grandes.

Derek Rabelo curte a temporada havaiana e se prepara para viagem a Maui (Foto: Pedro Gomes Photography)
Derek Rabelo curte a temporada havaiana e se prepara para viagem a Maui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.