Tablet cearense promete 100% de acesso a deficientes

Tablet cearense promete 100% de acesso a deficientes

Mãos digitandoSegundo o jornal Diário do Nordeste, os deficientes visuais terão acesso a leitura em braile de 100% de todos os textos produzidos no Brasil e no mundo. Desenvolvido por professores do Instituto Federal do Ceará (Ifce) juntamente com a empresa incubada AED Tecnologia, o Projeto Portáctil permite a leitura de documentos impressos ou digitalizados, bem como a escrita de documentos, utilizando uma ou mais células braile. O aparelho, que também possui a função de sintetização de voz, permitindo a leitura aos que não dominam a linguagem braile, deverá estar no mercado a partir do ano que vem.

O equipamento é um tipo de tablet, cuja câmera fotografa o texto, que é escaneado em OCR e transformado em texto editável. À partir daí, a interface feita no sistema Android, permite comunicar via bluetooth mostrando numa célula braile com formato de mouse o que está sendo lido no texto. O sistema bluetooth, inclusive, permite que, na ausência do tablet, o sistema possa ser usado num celular do tipo smartphone.

Além do objetivo do projeto de inclusão dos deficientes visuais na educação, o tablet que possui a escrita como função adicional também pode ser um diferencial na produção de livros em braile que, além do tamanho grande, precisa de mais de um volume para caber o original de uma edição comum.

Em 2011, um time de pesquisadores americanos da Universidade de Stanford, desenvolveu uma forma de pessoas com deficiência visual usarem a tela de um tablet como um teclado braile, utilizando um design inovador no teclado para superar a falta de elementos táteis que normalmente seriam necessários para um teclado braile, onde o usuário coloca oito dedos simultaneamente sobre a tela e o programa leva as teclas virtuais até cada um dos dedos.

O Portáctil, com patente cearense depositada junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi), vai muito além disso. O projeto é financiado desde 2010 pelo Ministério da Educação (MEC), que pretende traçar estratégias para que o equipamento possa entrar em fase de produção, a partir de licitação, pela indústria nacional, o que não permite ainda uma definição de valores.

Fonte: http://saudevisual.com.br/noticias/290-tablet-cearense

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *